A praia da avenida precisa ser integrada a outros equipamentos turísticos já existentes na cidade

Audiência Pública - Avênida Soares Lopes - Praia da Avenida
Audiência Pública - Avênida Soares Lopes - Praia da Avenida

É fundamental integrar a praia da avenida Soares Lopes aos equipamentos turísticos já existentes em Ilhéus. “Precisamos fazer esta conexão. Eles não conseguem dialogar e sobreviver distantes um do outro”, explicou o presidente da Comissão da Avenida, vereador Vinícius Alcântara (PV), sobre o resultado do encontro que a comissão teve ontem (01) com o segmento do Turismo.

A comissão foi criada pela Câmara para debater o futuro de um dos principais cartões-postais de Ilhéus e tem um prazo de 120 dias para apresentar um relatório, após ouvir a população, se reunir com moradores, profissionais da engenharia e arquitetura e representações empresariais, ambientais, culturais e esportivas do município.

“A primeira coisa que precisa ser feita é arrumar a casa para nós, para que a cidade esteja boa para o turista”, destaca a consultora em Turismo, Fabíola Paes Leme, que participou da sessão. Essa organização – com profissionalização de todos os segmentos – é também considerada como fundamental pelo presidente da Associação de Turismo de Ilhéus (Atil), Átila Eiras.

A vereadora Enilda Mendonça reforça a tese de Fabíola Paes Leme e destaca que arrumar a casa é manter sob controle serviços de limpeza, organização do espaço e boa iluminação. “Nós temos produto cultural em Ilhéus para ser comercializado. E o que falta para que esses produtos estejam nas melhores prateleiras”, afirmou.

A proposta central da Comissão da Avenida é não permitir que haja um loteamento para um espaço que deve ser de convergência para todos da cidade. “Estamos chegando a 500 anos de Capitania Hereditária e poderíamos dar de presente para Ilhéus uma urbanização democrática para a Avenida Soares Lopes”, destaca o vereador Cláudio Magalhães (PCdoB) que também participou da audiência de ontem.

Mais seis Audiências Públicas Setoriais estão previstas para acontecer nas próximas semanas, antes da conclusão do relatório final. “Ouvir a comunidade de forma qualificada é estimular que as mudanças aconteçam de forma participativa”, destaca Alcântara. “Política pública se faz com análise de dados, participação comunitária e conhecimento”, completa o parlamentar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui